Menu English version
Blog Infra como Código

Entrevista com Luke Kanies, criador do Puppet e CEO da Puppet Labs – Parte 1

logo-puppetconf-2014

A Instruct esteve presente na PuppetConf 2014. O evento possui uma organização primordial e também um grande público, cerca de 2000 participantes.

Além de assistirmos a diversas das excelentes palestras do evento, aproveitamos para estreitar a relação da Instruct com a Puppet Labs e conhecemos pessoalmente diversas pessoas da empresa das mais variadas áreas.

Uma dessas pessoas é o CEO e criador do Puppet, Luke Kanies. Não foi fácil conseguir um tempo na já tumultuada agenda dele e também um local razoavelmente calmo para gravarmos. Felizmente o Luke é extremamente amigável e não deixou de nos atender. Quando percebemos a conversa já tinha começado faz tempo e então começamos a gravar.

Publicamos aqui a primeira parte da entrevista, onde conversamos sobre a resistência das pessoas em relação ao Puppet e a automação, e também sobre visões equivocadas sobre o assunto. Ative as legendas no tocador do YouTube caso elas não estejam aparecendo automaticamente.

Estávamos conversando sobre a dificuldade que temos de convencimento do uso do Puppet, de aprender algo novo. Algumas vezes os SysAdmins se sentem ameaçados pela ferramenta e pela automação. Você tem notado isso ao longo dos anos, mesmo quase 10 anos depois de ter criado o Puppet, certo?

É, e muitas pessoas pensam que automação serve para diminuir seu trabalho. E na realidade, existem tantas oportunidades do que se pode fazer no seu ambiente, diversas tarefas que você não consegue fazer no dia-a-dia.

Existem grandes coisas que sua organização gostaria que você fizesse. Querem que você seja mais rápido, querem que você faça mais, querem que você seja mais produtivo.

E você não consegue fazer tudo isso, porque você está ocupado sendo interrompido, lidando com falhas, quedas. E você gasta 10 vezes mais tempo para fazer qualquer coisa do que deveria.

Então, automação não é sobre fazer com que seu trabalho seja menor, mas fornecer o tempo para que você faça as coisas que precisa fazer, as coisas que seu chefe, sua organização, e seu time querem que você faça.

Eu costumo posicionar da seguinte maneira: Você precisa escolher entre fornecer o mesmo nível de qualidade de serviço que você provê hoje, temos essa velocidade,
temos esse número de falhas, a um custo menor. Ou um grande aumento de qualidade de serviço com o mesmo custo. Você geralmente opta pela maior qualidade.

Não se preocupam muito com o custo. Eles se preocupam com o quanto vai ser ruim. (Risos)

Claro que queremos que seja mais barato.

Então, é realmente sobre mudar a conversa sobre economizar dinheiro, para como podemos escalar o que fazemos. Eu quero ser 10 vezes mais rápido, quero fazer 10 vezes mais, mas não quero gastar 10 vezes mais.

Então, temos que escalar o que fazemos, ou quão bem o fazemos, sem aumentar o custo 10 vezes.